Na Grande Natal, polícia prende suspeito por receptação em desdobramento da Operação Sucata

0
202

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte, por meio da Delegacia Especializada de Defesa da Propriedade de Veículos e Cargas (DEPROV), com apoio do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, deu continuidade, nesta quarta-feira (23), à Operação “Sucata”, que resultou em uma prisão em flagrante, pela suspeita da prática do crime de receptação qualificada. O objetivo da ação foi fiscalizar sucatas e oficinas em Natal e na Região Metropolitana.

Além disso, a ação visou cadastrar e investigar a atividade específica de vendas de peças de veículos, promovendo ainda consultas sobre a numeração dos sinais identificadores contidos nas peças encontradas nas oficinas. Ao longo da manhã, as Polícias Civil e Militar, acompanhadas do Corpo de Bombeiros, se deslocaram até o bairro de Mãe Luíza, na Zona Leste de Natal, e promoveram fiscalizações em oficinas de motocicletas, além da busca de foragidos da Justiça.

Durante o período da tarde, os policiais civis se encaminharam ao município de São Gonçalo do Amarante, oportunidade na qual foram encontrados dois veículos “desmanchados” (cortados e com suas peças prontas para venda), com registro de roubo, sendo um da marca “Ssangyong”, de cor “Branca”, e um do modelo “Amarok”, no interior do depósito da “Sucata do Negrão”.

O proprietário, Francisco Rodrigues Sobrinho, não foi encontrado no local, mas um dos funcionários, José Lucas de Sousa, 22 anos, responsável por cortar os veículos roubados, foi preso em flagrante, pela suspeita da prática do crime de receptação qualificada.

Ele foi conduzido até a delegacia e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça. Os outros alvos das fiscalizações receberam notificações emitidas pelo Corpo de Bombeiros Militar, visando a realização das devidas adequações nas estruturas físicas das empresas.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

Foto: PC RN.

Deixe uma resposta