Anticorpos contra o coronavírus podem durar anos, diz estudo

0
127

Por Poder 360 — O maior estudo sobre o coronavírus realizado até esta 6ª feira (20.nov.2020) sugere que a defesa imunológica de 1 paciente que superou a covid-19 pode durar anos. Até agora, acreditava-se que os anticorpos duravam apenas 8 meses após a contaminação.

Os resultados da investigação podem ter grande impacto no futuro da pandemia, já que a necessidade de vacinar a população repentinamente diminuiria.

“A proteção pós-covid poderia durar anos”, disse o imunologista Marcos López Hoyos, presidente da Sociedade Espanhola de Imunologia, ao jornal El País.

Esse é o 1º estudo que analisa ao mesmo tempo os 4 principais componentes da memória imunológica contra o coronavírus: os anticorpos neutralizantes, que são proteínas que se unem ao vírus e reduzem sua ação à zero, os linfócitos B, que são as fábricas desses anticorpos, e 2 tipos de linfócitos T, outros glóbulos brancos que destroem as células já infectadas.

A pesquisa foi feita com 185 pacientes de 19 a 81 anos nos Estados Unidos. Cinco meses depois de infectados, 90% dos pacientes apresentaram pelo menos 3 desses componentes da memória imunológica.

Os novos resultados são consistentes com o observado no vírus da síndrome respiratória aguda grave (a SRAG), causada por outro coronavírus que surgiu na China em 2002 e matou quase 800 pessoas. Uma pesquisa publicada em julho deste ano mostrou que os sobreviventes conservavam linfócitos T contra esse coronavírus 17 anos depois de terem superado a doença.

O novo estudo é 1 dos poucos que analisaram os linfócitos B, que são as fábricas de anticorpos específicos. Se os anticorpos desaparecem com o tempo, os linfócitos B podem ser ativados e produzir mais em caso de haver uma 2ª infecção. Os linfócitos B, inclusive, aumentam com o tempo.

Foto: Sérgio Lima/Poder360.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui