Ministro da saúde diz a governadores que registro de vacina deve sair em fevereiro

0
224

Por Poder 360 — O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta 3ª feira (8.dez.2020) que o registro de uma vacina contra covid-19 pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deve demorar 60 dias para ser efetivado. A declaração foi feita em reunião com governadores que pediam estratégia unificada do governo, cronograma célere de imunização e ampliação da lista de prováveis vacinas.

“AstraZeneca e Oxford estão concluindo a fase 3. Algumas etapas da fase 3 serão concluídas para, aí sim, submeter à Anvisa para registro. Qual é a previsão? Até o final de dezembro. E a Anvisa, dentro da sua responsabilidade para analisar o registro dessas vacinas, ela precisa de tempo para concluir essa ação. E, pelo que demonstrou, tempo próximo a 60 dias. Pode ser menos, um pouco”, disse o ministro aos governadores.

Pazuello afirmou que, se as etapas da agência reguladora forem concluídas sem problemas, o Brasil deverá “ter o registro definitivo da AstraZeneca no final de fevereiro. Mesmo que tenha chegado as 15 milhões de doses em janeiro”.

O ministro disse na reunião que o governo espera ter mais de 300 milhões de doses de imunizantes em 2021. Detalhou: serão 100 milhões importadas da AstraZeneca, 160 milhões produzidas pela Fiocruz e 42 milhões advindas do consórcio Covax Facility.

DORIA X PAZUELLO

O ministro e o governador de São Paulo, Joao Doria (PSDB), discutiram na reunião. Doria participava virtualmente, ao contrário de um grupo de 6 governadores que foram ao Palácio do Planalto pessoalmente.

O governador de São Paulo questionou Pazuello: “O que difere, ministro, a condição da sua gestão como ministro da Saúde, de privilegiar duas vacinas em detrimento de outra vacina? É uma razão de ordem ideológica, política, ou uma razão de falta de interesse em disponibilizar mais vacinas?“

O tucano fazia referência à CoronaVac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan. Doria quer usar a substância para iniciar campanha de vacinação em São Paulo a partir de 25 de janeiro.

Pazuello respondeu que a vacina do Butantan “não é do Estado de São Paulo, é do Butantan”. E disse: “Não sei por que o senhor fala tanto como se fosse do Estado“. O ministro declarou que “havendo demanda e preço, todas as condições serão alvo” da compra do governo.

PRESSÃO DOS ESTADOS

Chefes de governos estaduais foram a Brasília nesta 3ª feira (8.dez) para participar dessa reunião com o ministro Eduardo Pazuello, no Palácio do Planalto. O grupo pede um plano unificado de vacinação e imunização contra covid-19, além de mais celeridade no processo. Quer também mais variedade de imunizantes na cartela de possíveis laboratórios contratados pelo governo.

Estiveram presencialmente na reunião os governadores Wellington Dias (PT-PI), Paulo Câmara (PSB-PE), Gladson Cameli (PP-AC), Helder Barbalho (MDB-PA), Fátima Bezerra (PT-RN) e Ronaldo Caiado (DEM-GO). Os demais participaram por videoconferência.

O gesto é visto como uma pressão dos governadores sobre o governo federal para que o Ministério da Saúde se prepare para comprar seringas, agulhas, equipamento de proteção individual e para que seja traçado o plano de contingência para vacinar a população em massa. Mesmo sem o aval da Anvisa, pedem que providências logísticas sejam tomadas.

Em entrevista antes do encontro, o governador Wellington Dias disse que “o pior que pode acontecer no Brasil é não ter um plano nacional”. Ele, que coordena o grupo, declarou que esperava respostas concretas da reunião com Pazuello.

“Não dá para esperar, como saiu divulgado há poucos dias, um plano que prevê [vacinação] até o final do ano, não. Se a gente acertar o passo agora em dezembro, começar a vacinar em janeiro, é possível até abril vacinar os brasileiros e as brasileiras”, disse ao chegar ao encontro no Planalto.

Para o governador, “se um Estado começar isoladamente a fazer vacinação, o Brasil inteiro vai correr para lá”. “Vai ter uma situação gravíssima, ou seja, tem que se pensar em um plano nacional”, declarou.

Foto: Reprodução.

Deixe uma resposta