Preço do gás de cozinha pode chegar aos R$ 90 no RN

0
219
Aumento do consumo no gás de cozinha por causa do coronavírus já reflete em Campinas — Foto: Reprodução/EPTV

Por: Tribuna do Norte

Com o décimo aumento consecutivo, o preço do botijão de gás de cozinha (GLP) de 13 kg poderá chegar aos R$ 90 em algumas cidades no Rio Grande do Norte. Isso se deve ao reajuste de 6% para as distribuidoras, aplicado pela Petrobras a partir desta quinta-feira (7). Somado a isso, o presidente do Sindicato dos Revendedores Autorizados de Gás Liquefeito de Petróleo (Singás-RN), Francisco Correia, disse que houve um acréscimo no Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF), que é utilizado como base de cálculo do ICMS.

Esses dois gatilhos devem elevar em até R$ 6 o preço atual do botijão de gás para o consumidor final. “No dia 1º tivemos, mais ou menos, R$ 1 de PMPF e agora fomos comunicados sobre o reajuste de 6% da Petrobras, que equivale a cerca de R$ 4. Somando os dois temos um aumento que varia de R$ 5 a R$ 6. O valor final vai variar entre R$ 85 e R$ 90, dependendo da cidade”, explicou Francisco Correia.

Ele prevê que, na medida em que os revendedores forem renovando os estoques, o preço será atualizado e isso deve acontecer em sua totalidade até o próximo domingo (10). Segurar os preços para o consumidor final é algo considerado impossível pelo Singás/RN. “É o décimo aumento consecutivo. Não temos como segurar o preço. Se somar os dez reajustes, dá 57% de aumento e não tem como não repassar para o consumidor final”, reforçou.

Em nota, a Petrobras reforçou que igualou os preços de GLP para os segmentos residencial e industrial/comercial, desde novembro de 2019. Disse também que vende o produto às distribuidoras a granel e que os preços de GLP praticados por ela têm como referência o valor de paridade de importação, formado pelo valor do produto no mercado internacional, mais os custos que importadores teriam, como frete de navios, taxas portuárias e demais custos internos de transporte para cada ponto de fornecimento, também sendo influenciado pela taxa de câmbio.

Já a Secretaria de Tributação do Rio Grande do Norte (SET-RN) informou que o PMPF, que também impactou no preço final do botijão, serve de referência para que ocorra a Substituição Tributária do ICMS nas operações com combustíveis. “O mesmo se aplica ao GLP, funcionando para informar qual deve ser a base de cálculo para o ICMS a ser retido por substituição. Esse valor tem por base os preços utilizados no mercado local nos últimos dias, ou seja, ele acompanha os preços que já estão sendo praticados, e não o contrário, e informa que, para os próximos dias esse valor deve ser levado em consideração”, explicou o secretário adjunto da pasta, Álvaro Luiz Bezerra. Segundo ele, atualmente a SET-RN usa como base a pesquisa realizada e publicada pela Agência Nacional de Petróleo – ANP.

Deixe uma resposta